Anna Munhoz

Era Anna Oliveira. Daí casei.

Sem Atalhos para o Amor: Meu segundo e-book

Publiquei meu segundo e-book na Amazon!

Não, não é outro livro de poesias. Este e-book conta a história da Clarice e do Rafael, personagens que nasceram lá em 2013. Depois de tanto tempo, decidi desengavetar esses diálogos e estou muito feliz com o resultado. Olha a sinopse:

A partir de alguns esbarrões no corredor e de um pedido inesperado, Clarice e Rafael vão descobrir que o amor acontece nas entrelinhas de cada diálogo.

Você pode ler e/ou comprar a história clicando AQUI. O e-book está disponível para leitura gratuita no Kindle Unlimited (dá pra aproveitar 30 dias de teste). E também tem uma versão em inglês!

Por favor, dê seu feedback quando terminar a leitura. Faça uma review/avaliação na Amazon e indique a leitura para os seus amigos. Isso ajuda bastante. ❤

COMPRE SEM ATALHOS PARA O AMOR
No Shortcuts for Love
(versão em inglês)

twitter | instagramsnapchat | e-books

Anúncios

Vida corrida

Cada dia um novo pepino. Uma nova batata. Alguns dias, havia toda uma salada! Problemas aqui e ali. Era tanto problema que não acabava. Coitada dela… Tinha uma hortaliça completa e, apesar dos estresses, se dava bem com ela.

twitter | instagramsnapchat | e-books

CLICK

O frio, as cores, a paisagem, as flores… A arquitetura e as ruas! Até mesmo a falta de luz no céu nublado. Os detalhes criavam o cenário perfeito para a garota explorar a cidade histórica pelos olhos analógicos da Lomo nova.

twitter | instagramsnapchat | e-books

Musiquinha pra animar a vida!

Casamento pode mesmo te deixar maluca se você não tomar cuidado então… Pra aliviar a correria dos últimos dias, vamos ouvir o novo single da Mandisa (com participação da linda da Britt Nicole!). Achei a nova música para a playlist de 2017. 😀

twitter | instagramsnapchat | e-books

Triste vida

Ajuntava riquezas e empinava o nariz ao andar. Virava a cara aos amigos. Não queria perder, não queria doar.

A cada dia, novas negociações rendiam mais bilhões. À noite, contava o dinheiro. Estava mais rico, e ainda se sentia vazio.

Soberbo. Ganhava o mundo enquanto deixava sua alma pelo caminho.

Miniconto publicado no Facebook em 09 de Janeiro de 2017

twitter | instagramsnapchat | e-books

Aurora

os farois fora da estrada
a chuva que não para
os dias já foram melhores durante a madrugada

Poema publicado no Instagram em 20 de Abril de 2017

twitter | instagramsnapchat | e-books

Efêmero

faz parte da vida:
lembrar e ser esquecida

twitter | instagramsnapchat | e-books

Cresci

achava patético as dicas nas revistas
hoje sou eu quem quase estou criando uma galeria
de dicas para meninas

me sinto adolescente
com um Q a mais
meio de lua crescente

aos 20 e com você
ainda não estou tão segura
porém, sou mais madura

twitter | instagramsnapchat | e-books

Desalento

estou andando em uma corda bamba
não consigo me livrar do perigo

estou me equilibrando na borda do abismo
não consigo me afastar desse desvario

estou tentando sem parar
tento fugir do errado, mas não dá


“E, se faço o que não desejo, admito que a lei é boa. Neste caso, não sou mais eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim. Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus; mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros. Miserável homem eu que sou! (…)” (Romanos 7:16-24)

twitter | instagramsnapchat | e-books

Poema sem título 4

posso ser patética
deixe que eu seja
me dê boa noite
e depois adormeça

posso ser patética
deixe que eu seja
me dê bom dia
e depois me esqueça

posso [tentar] passar o dia sem você
só até a hora de dormir e acordar
no fim e no começo,
você tem que ‘tá lá.

Poema publicado no Medium em 11 de Dezembro de 2015

twitter | instagramsnapchat | e-books